Malú, quais os efeitos deste anticoncepcional?

Malú, quais os efeitos deste anticoncepcional? Tem algum perigo para saúde tomar Malú junto de outro medicamento? Será que ele engorda? Neste post falaremos um pouco sobre os efeitos colaterais deste anticoncepcional fabricado pela EMS Sigma Pharma, mesma fabricante do Micropil, NikiDalyne, Alexa e outros.

Malú, quais os efeitos?

O Malú é composto por 0,15 mg de desogestrel e 0,02 mg de etinilestradiol, mesma composição do Microdiol (Schering-Plough), do Femina (Aché), Melvulon (Ache), do Primera 20 (Eurofarma), Minian (Libbs), Dioless (Supera) e do Mercilon (Schering-Plough).

Seus efeitos colaterais mais comuns são:

  • enjoo
  • dor abdominal
  • aumento do peso
  • dor de cabeça
  • depressão e alteração de humor
  • dor nas mamas
  • vomito
  • diarreia
  • retenção de líquido
  • enxaquea
  • aumento das mamas
  • vermelhidão na pele
  • redução da libido
  • urticária

Também podem ocorrer alguns efeitos raros como perda de peso, aumento da libido, secreção vaginal, intolerância à lentes de contato, eritema nodoso e multiforme, coágulo na veia ou artéria.

Malú, quais os efeitos deste anticoncepcional?
Malú, quais os efeitos deste anticoncepcional?

Se notar algum dos efeitos especificados acima ou algum outro que acredite ter começado após o uso do contraceptivo, fale imediatamente com seu médico. Ele poderá analisar para decidir se continua ou não com este medicamento.

É verdade que Malú engorda?

Apesar da bula do Malú reportar o ganho de peso como um dos efeitos colaterais, não há evidência de que o contraceptivo cause esse ganho. Sabe-se que os níveis de estrogênio presentes neste contraceptivo são muito baixos para causar ganho de peso.

Um review de 44 estudos sugere que a pílula (anticoncepcional) até faz a mulher engordar um ou dois quilos pela retenção de líquido no corpo, só que esses quilos costumam desaparecer depois de uns três meses. Ganhos de quilos acima desses valores, não são devido ao contraceptivo, mas sim devido ao aumento de consumo de calorias no dia a dia.

Tem risco de trombose nos efeitos do Malú?

Infelizmente o risco de trombose existe com qualquer contraceptivo oral que você tome. Não importa qual seja, o risco de ocorrer eventos trombólicos arterial ou venoso sempre vai existir. O risco é similar ao dos contraceptivos orais combinados que contêm acetato de ciproterona com etinilestradiol, drospirenona com etinilestradiol, e gestodeno com etinilestradiol. Mas é 50 a 80% maior que os contraceptivos que contém lebonorgestrel e etinilestradiol em sua composição.

Por isso o Malú não é recomendado para mulheres fumantes, que tenham diabetes, excesso de peso, pressão alta, inflamação nas veias, enxaqueca, epilepsia, ou qualquer outro problema que podem aumentar o risco de ocorrer eventos troboembólicos.

Quando não deve usar este contraceptivo?

O Malú não deve ser utilizado caso você apresente alguma dessas condições:

  • histórico de trombose, embolia ou coágulos em uma veia em outras partes do corpo;
  • história de ataque cardíaco, angina ou derrame;
  • histórico de enxaqueca com sintomas neurológicos focais (problemas de visão, dificuldade para falar, adormecimento, fraqueza);
  • histórico de câncer;
  • hipersensibilidade a algum dos componentes do anticoncepcional;
  • presença de tumor no fígado;
  • histórico de doença no fígado;
  • diabetes mellitus;
  • presença de sangramento vaginal sem explicação;
  • grávidas ou suspeita de gravidez.

Também não deve ser usado se você estiver fazendo tratamento com ombitasvir/paritaprevir/ritonavir para hepatite C.

Remédios que podem interagir com Malú

Este anticoncepcional da EMS pode interagir com alguns medicamentos, reduzindo ou aumentando sua concentração na corrente sanguínea, e consequentemente alterando sua eficácia. Entre eles estão:

  • medicamentos para epilepsia (primidona, fenitoína, barbitúricos, carbamazepina, oxcarbazepina, topiramato, felbamato e outros);
  • remédios para turbeculose;
  • medicamentos para AIDS (ritonavir, nelfinavir, nevirapina, efavirenz) e Hepatite C;
  • remédios para infecções fúngicas (griseofulvina, antifúngicos azólicos, por exemplo, itraconazol, voriconazol, fluconazol, cetoconazol);
  • medicamentos para pressão arterial elevada nos vasos sanguíneos dos pulmões;
  • remédios para depressão à base de Erva de São João.

Além disso o próprio Malú pode interferir na ação de medicamento como a ciclosporina, aumentando seu efeito, ou com a lamotrigina, reduzindo seu efeito.

Portanto sempre converse com seu médico, caso pretenda começar a utilizar algum outro medicamento, enquanto estiver utilizando o Malú. É importante também informar em clínicas laboratiais quando for realizar exames, pois o Malú altera resultados de alguns exames de sangue e urina.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.